Experiência humanitária de Flavia Ribeiro de Castro na Cadeia Feminina de Santos

         * Valendo-se da arte e de um diálogo afetivo, autoestima, sonhos e valores foram resgatados

 

Sensibilidade das fundadoras em trabalhar com mulheres que passaram pela experiência do cárcere

         * Por serem em sua maioria solteiras, mães, únicas responsáveis pelo cuidado de vários filhos

* para evitar abandono e repetição exponencializada da história na próxima geração

 

Compreensão de maior fragilidade e necessidade de amparo na saída do cárcere

         * Autoestima enfraquecida

         * Estudos e profissão interrompidos

         * Dívidas iminentes e ausência de renda

         * Estigma e preconceito por ser ex-presidiária

Casa Flores @ 2018. Todos os direitos reservados.